Assista

Loading...

Automobilismo Virtual

Antes do PS3, os pilotos virtuais usavam um simulador de corrida denominado "Race 07" e suas várias extensões. Ainda usam, mas em número infinitamente menor, se comparado ao PS3 e Xbox.
Os pilotos virtuais que não querem jogar, e sim pilotar, preferem esses denominados simuladores ao jogo "arcade".
Particularmente, acho que vai da consciência e necessidade de cada um. É exatamente isso, quem quer "brincar" brinca e quem quer levar a sério, vai mais além. Até porque tem muito piloto virtual "vivendo disso", com patrocínio, equipe e tudo. Apenas acho que os treinos demandam muito tempo e, para ser competitivo é preciso treinar muito, desenvolver projetos no Motec, um programa de computador usado para carros reais, é a tal telemetria. Enfim, tudo isso pra chegar na pista, achando que está arrasando, mas na verdade está a de 2 a 5 segundos mais lento do que líderes. Ou seja, tem que treinar muito pra andar rápido. Mas tá valendo, eu já participei e sei como é!
A Simbin, estúdio desenvolvedor dos simuladores mais famosos produziu muitas coisas interessantes, como por exemplo, a dificuldade imensa em controlar o carro, as várias salas onde servidores do mundo inteiro promoviam corridas e campeonatos das mais variadas categorias, aliás, praticamente todas, ou quase todas, a ideia da pintura personalizada nos carros, o TS, mais conhecido como TeamSpeak, um programa  para baixar, onde os pilotos conversavam como radio-amadores, bastava apertar uma tecla para falar.

Com todo esse aparato técnico, entre conversas aqui e ali, cheguei a conclusão que deveria adquirir um bom "guidon".
Volante este (G25) da Logitech
, equipado com câmbio semiautomático (borboleta), tem também uma série de funções, configurações de jogo, além do "Force Feedback
Existe disponível no mercado, uma versão mais nova (G27), com mais botões no volante.Para fazer essa mudança basta girar a chave seletora, localizada na frente da alavanca de câmbio. (como ilustrado na imagem acima).
Mas estou muito satisfeito com esta versão, pois além de ter a alavanca tradicional de câmbio H, como nos carros de passeio, o G25 vem com a opção de ser mudado para mudança sequenciais de marcha, ou seja, deslocando a alavanca para trás, as marchas sobem e para frente vão reduzindo, como o câmbio "tiptronic" (opção não disponível no G27).
Já os pedais (acelerador, freio e embreagem) estão disponíveis nos dois modelos. Com as diferentes forças que atuam nos pedais, a sensação é muito parecida de estar pilotando um carro de verdade.
"Vale a pena experimentar!"
Mas não pense que este é o melhor... está muito longe disso. O G25 custa (preço mais barato que encontrei) cerca de mil reias. Sei que há volantes mais caros, mas no meu bolso coube este, que pelo custo benefício é excelente.
Existem volantes assim, ou bem perto disso para AV:
e quanto vc acha que custa isso???? Não me pergunte, porque eu também não sei. Já vi piloto acoplar um desses nas engrenagens do G25. É mole???

Devidamente com os pés no chão, muita gente acha que custa caro tudo isso. Então eu te pergunto: Quanto custa sua alegria? Porque isso é uma terapia muito eficiente. Economize sim, isso é necessário, mas se puder, "tire o escorpião do bolso". Caixão não tem gaveta, pra onde é que você acha que vai levar suas economias? Há vai deixar pros filhos! Ótimo! Apenas não se esqueça de você mesmo!

O AV é uma maneira de fazer corridas de automóveis ficarem mais baratas. Afinal não é todo mundo que tem "bala" pra bancar os custos elevados de qualquer categoria do automobilismo real. Já o virtual cabe no bolso.

Embora as corridas sejam feitas com os pilotos olhando para os monitores e TVs, a modalidade está cada vez mais realista, e tem futuro promissor, tanto como um agradável meio de lazer, como também, uma forma de negócio.

A Nasa, a USAF (Força Aérea Norte Americana), bem como, grandes empresas da aviação comercial, usam "simuladores" para treinar e habilitar seus pilotos com simuladores bastante realistas. O Automobilismo Virtual também esta na mesma balada.

Pilotando virtualmente, você não terá a emoção completa de estar dentro de um carro de corrida, com certeza não sentirá a "força G", que atua no corpo, nem o barulho do vento a 200km/h, muito menos o calor do cockpit, mas com os recursos de "force feedback" dos modernos volantes, a "diversão" é garantida pelo fato de correr com mais pilotos online.

Eu recomendo!

Para melhor performance e ergonomia
um banco de corrida é muito bem-vindo

 Existe mais opções de cores e acessórios como
o suporte da alavanca de câmbio


veja algumas opções de bancos, suportes e cockpits

a versão "mão-de-vaca"

versão "não pesquisei"

versão "pra quê?"

 versão "não ligue sem o cinto"

versão "sem infância"

versão "volta pra realidade!"

versão "meia-boca"

versão "essa merda vai ficar aqui na sala?"

versão "pra que ter esposa?" 

versão "na sala essa merda não coube" 

versão "paguei caro"

versão "e não é que fica bem aqui na sala, querida?"

versão "querido, você bateu o carro?"

versão "drunk driver" - não reparou a  budweiser ali atrás do banco?

versão "deu vontade de sentar?"

versão "pau-de arara"

versão "Ana Hickmann" - só ela tem as pernas deste tamanho

Caso você ache caro ter parte, ou todo o equipamento, faça um como este da foto. Monte uma versão igual, a versão cockpit "ôcoitado!"
"Cada dá o que tem e faz o que pode" e o volante é um MOMO, também da Logitech.


Existem hoje muitas opções de cockpit, eu mesmo acabei montando o meu com peça usada daqui, adaptação dali, a base do banco na "base" do "faça você mesmo". O que eu comprei mesmo foi um banco de qualidade para corrida, mas não precisava, pois o banco-concha de corrida tem a "segurança" como característica principal, o conforto vem depois.
Ora eu não preciso de segurança, nem de um banco com buracos para o cinto de segurança de 5 pontos, eu preciso de "conforto", mesmo porque ficamos horas no cockpit, precisamos na verdade de "ergonomia". Então nada melhor do que um banco de couro da BMW, que desenvolveu alguns bancos que permitem que você fique sentado por horas a fio, sem se se preocupar com as hemorrídas.

Mas vamos adiante...
Lembra-se disso??? (fim da década de 80 inicio dos anos 90). Pois é!!! Era o que tinha de melhor em simulador de corrida, melhor o mônaco GP da SEGA e Mega Drive! Ouvi dizer que até Ayrton Senna jogava. Por isso acho que temos que dar mais valor ao que temos hoje.

Em seguida saiu o GP2, que ficou muito tempo como o principal jogo de F1. Mas sofria severas críticas, uma delas era porque não chovia no game. A microprose alegava que iria perder a "jogabilidade".

O tão esperado GP3 da Microprose, que até então,  continuava adiando seu lançamento, me surpreendeu. Acho até que foi o melhor jogo da série. Até chovia, a pista encharcava, depois que parava de chover a pista ia secando, fazendo o trilho, era sensacional. Lembro que ainda ainda usávamos o teclado como acelerador, freio, guidon, marchas e tudo mais. Mas nem por isso deixava de jogar, pois havia muita coisa para este game na precária Internet . Era trabalhoso procurar o lugar certo pra baixar as coisas (templates em Bitmap, upgrades, patches, aplicativos etc).
Eu mesmo tinnha material para a temporada de 86, 87, 90, 91, além da temporada original do jogo, 2000, até tinha um add-on para o jogo, chamado GP3-2000.


Era possível reproduzir isso...
... nisso
 

  
Vale lembrar que era uma época de ouro na F1, com grandes pilotos e excelentes disputa entes esses quatro logo abaixo. Nessa época os brasileiros respiravam Fórmula 1. Quem conhecia um pouco mais disponibilizava tudo para editar o game. mas quando se achava dava tudo certo, foi um jogo genial, na minha opinião.

 



 
Como a Microprose havia fianlmente achado o caminho, lançou o GP4 num espaço de tempo menor do que entre as versões anteriores do GP2 e GP3. Melhor que a versão anterior o game pecava porque era poderoso demais para as máquinas da época. Não rodava nem na mais baixa resolução. Tinha-se que gastar os "tubos" para comprar uma máquina compatível com o jogo, que estava a frente do seu tempo. Tão a frente que, até hoje, os saudosistas vivem seus momentos de pura nostalgia quando jogam algums dos games  clássicos de Geoff  Crammond.

A coisa começava a mudar de figura e o jogo estava muito bom, mas só em exposições e feiras, onde era difícil esperar uma brecha pra dar duas voltinhas.

O jogo já pedia volante e pedais, pois estava realista demais.
O grande barato do série GP era pintar os carros, mudar o shape, praticamente se fazia "de um tudo" para atualizar, ou, até mesmo retroceder temporadas. Ainda, nesta mesma data de postagem, achei um patch para baixar, custando R$18,00, com a temporada de 2010, com a narração do Galvão Bueno 
 
 
Paralelamente, alguns entusiastas usavam o GTR, um simulador excelente da Simbin para computador, para jogar on-line, já em moldes bem melhores do que o GP3 e 4.
O sucesso foi tão grande que eles lançaram o GTR2 e não pararam mais, a partir daí foi um lançamento atrás do outro com o Race 07, STCC, GTR Evolution, Race On etc. Atualmente eles anunciaram o lançamento do GTR3, apesar de muita gente achar que a Simbim "fecharia as portas".
Quando o GP4 ficou bom para jogar, havia coisas mais atrativas no mercado, como o Gran Turismo da Sony
.









Consegui comprar um volante da Microsoft, sem "force", que me serviu muito bem, diga-se de passagem, mas já existia coisa melhor.
quando entrei no campeonato nacional da GTR BRASIL, lugar dos melhores e mais rápidos pilotos virtuais do país, na categoria Mini Challenge. São os "carrinhos" mais fáceis de pilotar, mas não dispensam a boa técnica de pilotagem. Todos os carros iguais, com diferença apenas no complexo setup e no braço de cada piloto, era muito disputado. 
Já na minha primeira corrida, largaram 21 pilotos em Zandvoort Club, na Alemanha (isso mesmo... 21 pilotos on-line) os outros 4 slots, num total de 25 estavam reservados para: 1- o diretor de prova (que assistia a corrida para punir os pilotos mais afoitos); 2- para o fiscal de prova, que ajudava o diretor vendo a corrida no pelotão de trás; 3- para o comentarista; 4- para o narrador da prova, pois a mesma era transmitida ao vivo pela Internet.
 Essa era a tela que se via a poucos minutos do início de uma corrida

Saindo na 7ª posição no grid consegui um excelente 5º lugar no final. Corrida disputada palmo a palmo. E na GTR Brasil, pelo menos naquela época o quinto lugar já garantia o pódio.

Minha equipe era a "GRIP MOTOR SPORTS", que tinha até site. 
Formada por 4 pilotos, Ismael Rocha, Michel Andrade, Rafael Iasbek e Flavio Rubens, nossa equipe foi a campeã. Eu (FR) não consegui vencer nenhuma prova, mas marquei importantes pontos para a equipe e fiquei na 6ª posição na classificação geral.



1
Grip Motorsports
407
--
4
37
366
2
Nacauan Racing
366
--
--
27
339
3
=BR= Esquadrão Brasil
262
--
1
18
243
4
Bulldog Racing
216
--
--
10
206
5
Fast Track Racing
180
--
--
11
169


1
Douglas Garcia
160
2
ismael rocha
152
3
Fabio Milanez
130
4
Marcus Falcao
108
5
Marcos Junior
111
6
Flavio Rubens
103
7
Michel Andrade
102
8
Rafael Iasbek
101
9
marcelo henning
97
10
Raphael Bastos
96
11
Daniel Nascimento
74
12
Carlos Nativo
73
13
Gustavo Boneto
71
14
kiko seikel
60
15
Jeferson tierling
31
-
Evandro Machado
31
17
Cadu Pinheiro
31
18
Renaldo Campos
25
19
eduardo finamore
22
20
arthurvillaca
21
21
Bernardo Junqueira
18
-
Andre Campos
18
23
Anderson Gardin
11
24
Marcel Grave
10
25
Marcelo Couto
9
26
gledson henriques
4

Pra você ter uma idéia de como era difícil, eu acabei pedindo a um piloto mais experiente da liga para me passar a dica da junção de Magni Cours "short", na França, uma variação da pista para categorias de menos potência. Nessa junção havia um desnível na pista muito grande, o que fazia o carro saltar, e dependendo de como se entrava na curva, havia o perigo do carro desgarrar e bater forte. Nos treinos, eu consegui fazer a proeza de capotar de frente, tamanho era o desnível no asfalto virtual. Leia como ele me ajudou a desvendar a charada: "no salto vc freia na segunda placa e joga 5ª quando passar a primeira perna tenta passar o + perto que pudar da zebra mas não toca, ela vai desequilibrar, ai vc acelera pouco antes da segunda perna, vc da  um leve toque no freio e desce pra 4ª e aponta pra saída, quando o carro pousar, tem que controlar no acelerador até sentir que nao vai escapar"

Na WTCC 
Foi até com patrocinador. Os carros andam muito mais e são bem mais difíceis de controlar.
Entre BMW 320si E90, SEAT Leon, Alfa Romeo 156, Honda Accord R 2007, peguei o Chevrolet Lacetti (à esquerda).
O melhor resultado que consegui foi um quinto lugar, depois de ter feito a pole em Monza, na Itália. Estava liderando a prova quando tomei uma punição e fui obrigado a cumprir uma parade de 10 segundos no box. Acabei chegando em 5º lugar.
Na classificação geral, fiquei num honroso 10º lugar, nada mal, ao lado dos melhores pilotos do Brasil, inclusive pilotos reais, que também gostam do virtual.

Após esses aprendizados, me chamaram para ajudar na organização de outra liga, a "La Piazza Racing". Houve uma cisão na GTR Brasil, e alguns pilotos migraram para lá. (CONTINUA)



Com o auxílio de "templates" que o próprio simulador fornecia (e ainda fornece, até mais pelo que fiquei sabendo... parece que liberou vários templates inclusive)


veja algumas pinturas que fiz para testar.

Mini Challenger (real / Virtual)
Algumas diferenças do Mini atual, com o Mod do Race On:
- grade do radiador
- para-choque com entradas de ar
(como se este carro precisasse usá-las para refrigerar os freios)
mudança apenas estética 


No Mod, tentei ser o mais fiel possível, mas não consegui,
então já fiz algumas alterações por minha conta:
- Nome do pitoto e número nos vidros
- bandeira do Brasil nos vidros laterais
- Não useio patrocínio dos pneus do Mini real, pois o simulador usa outra marca
- Banner da LPR no para-brisa
- subi a grade do radiador
- Fiz as entradas de ar no parachoque, mas o mod ainda ficou com as saliências da grade antiga.
- Modifiquei a posição do reboque
- fiz a saliência redonda que ainda nem sei o que é
(o problema é que no Mod, no lugar das novas entradas de ar, ficavam os faróis de milha)


Na traseira fiz a grade, o reboque, as lanternas de neblina e o difusor, mas não ficou como eu queria, pois o mod, tem o baixo relevo na parte baixa do para-choque que acompanha praticamente toda a peça.
O aerofólio pintei na cor branca, mas a peça é completamente diferente. 
Aceito sugestões

Nenhum comentário:

Postar um comentário